segunda-feira, 22 de março de 2010

Provérbio, pra que te quero?!

Provérbios, adágios ou ditados têm, durante toda a história da humanidade e em diversas culturas, conseguido expressar de forma breve, no entanto enfática, sentenças que aglutinam a experiência, os conselhos práticos e os princípios morais comuns a um povo ou grupo social. Da sabedoria chinesa podemos extrair: “A língua resiste porque é mole; os dentes caem porque são duros”. Um provérbio inglês diz: “Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca”. Já um provérbio árabe nos ensina: “Quem compra o que não precisa, venderá o que necessita”.
Lembro-me que meu pai, para nos ensinar a importância de sempre estarmos precavidos, nos alertava: “– Meu avô já dizia: ‘Quem vai ao mar se avia em terra’, por isso é melhor prevenir do que remediar”.
A sabedoria popular tem produzido verdadeiras pérolas que, ainda que não tenham sido escritas em livros, já foram talhadas com o cinzel da experiência, nas tábuas do nosso coração. Senão vejamos: “O costume do cachimbo deixa a boca torta”, “Quem com coxo mora, coxo fica”, “Quem ama ao feio, bonito lhe parece”, “Em terra de cego, quem tem um olho é rei”, “Em rio que tem piranha, jacaré nada de costas” e por aí vai.
Na Bíblia Sagrada também encontramos muitos provérbios. No Antigo Testamento o Livro de Provérbios de Salomão, escrito por volta do ano 1000 a.C., retratando a ética, a moral e cultura judaicas daquela época, nos parece estar mais atual do que nunca. Curiosamente ele é dividido em trinta e um capítulos, um para cada dia do mês.
É interessante observar que às vezes o provérbio na cultura judaica era expresso em duas sentenças. Em alguns casos as sentenças eram antitéticas, ou seja, expressavam idéias opostas. Por vezes a segunda sentença era uma repetição da primeira, utilizando idéias semelhantes. Vejamos então algumas das máximas escritas pelo sábio rei:
• “A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira.” (15:1)
• “O que é negligente na sua obra é também irmão do desperdiçador.” (18:9)
• “Não ames o sono, para que não empobreças; abre os teus olhos, e te fartarás de pão.” (20:13)
• “Como maçãs de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita a seu tempo.” (25:11)
• “O que cava uma cova cairá nela; e o que revolve a pedra, esta voltará sobre ele.” (26:27)
• “O que dá ao pobre não terá necessidade, mas o que esconde os seus olhos terá muitas maldições.” (28:27)
Jesus, o mestre dos mestres, não deixou de lado a riqueza dos provérbios e também disparou as suas sentenças:
• “Do que há em abundância no coração, disso fala a boca” (Mateus 12:34) ou em outras palavras: “A boca fala do que o coração está cheio”.
• “Tira primeiro a trave do teu olho, e então verás bem para tirar o argueiro que está no olho de teu irmão” (Lucas 6:42) ou em outras palavras: “Se queres tirar o cisco do olho de alguém, tira primeiro a tábua que atrapalha tua visão”.
Se bem pensarmos, os provérbios são uma fonte inesgotável da sabedoria e experiência. Eles certamente podem nos ensinar verdades profundas que nos ajudarão a viver mais e melhor. Atentemos então para seus sábios conselhos, pois “quem avisa amigo é!”.


segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Escola Dominical: metodologia e desenvolvimento

"Persiste em ler, exortar e ensinar..." (1 Timóteo 4:13)

1. Introdução
- A EBD, apesar de ser uma modalidade de Educação Religiosa, não está alheia às tendências pedagógicas e seus princípios.
- O educador cristão, além do conhecimento bíblico, precisa de conhecimentos de Pedagogia, Psicologia e Comunicação.

2. Definindo metodologia, métodos e técnicas
- Metodologia didática, de modo sintético, é o conjunto de métodos e técnicas com os quais se irão trabalhar os conteúdos em determinado curso ou disciplina, segundo uma determinada concepção de Educação.

3. Escolhendo métodos e técnicas adequadas
- Jesus ensinava por narrações, parábolas e metáforas.
- Crianças precisam de material concreto e aprendem mais com cânticos e movimento.
- Adolescentes e jovens são curiosos e aprendem mais com debates e discussões
- Pessoas maduras aprendem mais através da correlação com suas experiências.

4. Planejar é preciso
- Preparo didático, bíblico e espiritual são os requisitos para uma boa aula.
- Planeje conforme as necessidades de sua classe os objetivos, e o tempo disponível.

5. Tornando a aula de EBD significativa
- Use os conhecimentos de seus alunos e alunas.
- Inclua uma meta
- Mostre que participar não é brigar, nem concordar
- Use recursos didáticos para que o aprendizado seja potencializado.
"O que eu ouço, esqueço; o que eu vejo, lembro; o que eu faço, aprendo!" (Confúcio, 551-478 a.C.)

6. Desenvolvendo uma EBD participativa
- Conquiste o pastor
- Conscientize os pais
- Motive os professores
- Promova a EBD

7. Conclusão
Nossa tarefa de ministrar as Escrituras vai além do ensino-aprendizagem. É conduzir almas ao céu, é transformar vidas.
"...e os que a muitos ensinam a justiça, [brilharão] como as estrelas sempre e eternamente." (Daniel 12:3)


segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Curai os enfermos


Lucas 10.8,9: "E, em qualquer cidade em que entrardes, e vos receberem, comei do que vos for oferecido. E curai os enfermos que nela houver, e dizei-lhes: É chegado a vós o reino de Deus."


Introdução

Jesus, em seu ministério, curou muitos enfermos como prova de seu amor e compaixão pelos necessitados e também para mostrar sua autoridade sobre o mal.

“E, Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e possuído de íntima compaixão para com ela, curou os seus enfermos” (Mateus 14.14)

Um de seus últimos milagres foi a cura de Malco, servo do sumo sacerdote, cuja orelha fora cortada por Pedro, na ânsia de evitar que Jesus fosse preso.

“E um deles feriu o servo do sumo sacerdote, e cortou-lhe a orelha direita. E, respondendo Jesus, disse: Deixai-os; basta. E, tocando-lhe a orelha, o curou.” (Lucas 22.50,51)

Jesus afirmou que a cura de enfermos seria um dos sinais que acompanhariam os que cressem.

“E estes sinais seguirão aos que crerem... e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão.” (Marcos 16.17,18)


1 - Curai os enfermos NO ESPÍRITO

Certa vez, quatro homens levaram seu amigo, um paralítico, para ser curado por Jesus. No entanto, antes que Jesus curasse seu corpo ou sua alma, curou seu espírito.

“E eis que lhe trouxeram um paralítico, deitado numa cama. E Jesus, vendo a fé deles, disse ao paralítico: Filho, tem bom ânimo, perdoados te são os teus pecados.” (Mateus 9.1,2)

Para que nosso espírito esteja saudável ele deve estar em sintonia constante com o Espírito de Deus.

O perdão dos pecados traz paz ao nosso ser porque recebemos a alegria da salvação e o Espírito Santo passa a habitar em nós.

“Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto. Não me lances fora da tua presença, e não retires de mim o teu Espírito Santo. Torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustém-me com um espírito voluntário.” (Salmos 51.10-12)


2 - Curai os enfermos NA ALMA

Muitas pessoas vão aos médicos, psicólogos e terapeutas, mas não conseguem encontrar a cura para seus males. São pessoas que estão enfermas na alma.

Pecados não confessados, perdão não liberado, inveja, ciúmes e mágoas geram feridas na alma causando síndrome do pânico, complexos de inferioridade, depressão, e outros males que só Jesus pode curar.

“O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração” (Lucas 4.18)


3 - Curai os enfermos NO CORPO

Nós, não pregamos contra a Medicina, Psicologia ou outra ciência terapêutica, nem dizemos às pessoas que deixem de usar medicamentos.

Dietas e receituários médicos devem ser obedecidos. Tratamentos devem ser seguidos à risca para o nosso próprio bem.

Lembre-se que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo.

“Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo.” (1 Coríntios 3.17)

Lucas, um dos evangelistas, o qual também escreveu o Livro de Atos, era médico.

“Saúda-vos Lucas, o médico amado” (Colossenses 4.14)

O apóstolo Paulo, no fim de sua vida, precisou dos cuidados médicos de Lucas.

“Só Lucas está comigo.” (2 Timóteo 4.11)

Paulo ainda recomendou que Timóteo usasse um pouco de vinho para tratar as enfermidades no estômago.

“Não bebas mais água só, mas usa de um pouco de vinho, por causa do teu estômago e das tuas freqüentes enfermidades.” (I Timóteo 5.23)

O rei Ezequias, sentenciado de morte, clamou ao Senhor e teve sua vida prolongada por mais 15 anos. A cura de sua ferida se deu por meio de um medicamento natural.

“Disse mais Isaías: Tomai uma pasta de figos. E a tomaram, e a puseram sobre a chaga; e ele sarou.” (2 Reis 20.7)

No entanto, em casos perdidos para Medicina ou para a Psicologia, ou ainda em situações específicas, cremos na cura pelo poder do nome de Jesus e como manifestação dos dons de curar.

“E [Pedro] achou ali certo homem, chamado Enéias, jazendo numa cama havia oito anos, o qual era paralítico. E disse-lhe Pedro: Enéias, Jesus Cristo te dá saúde; levanta-te e faze a tua cama. E logo se levantou.” (Atos 9.33,34)


Conclusão

Cremos que o poder de Jesus não mudou. Basta que tenhamos fé e tomemos a atitude certa, baseada em sua Palavra.

“Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente.” (Hebreus 13.8)

Portanto ide e… CURAI OS ENFERMOS em nome de JESUS!!!